Agora Engenheiros fala sobre os problemas populares e cita algumas sátiras clássicas de grandes músicos.

A pampa é pop
O país é pobre
É pobre a pampa
(o PIB é pouco)
O povo pena mas não pára
(poesia é um porre)

O poder
O pudor
VÁRIAS VARIÁVEIS
O pão
O peão
GRANA, ENGRENAGENS
A pátria
À flor da pele
Pede passagem…PQP

O sonho é popular
Eu li isso em algum lugar
Se não me engano é Ferreira Gullar
Falando da arquitetura de um Oscar

O concreto paira no ar
Mais aqui do que em Chandigarh
O sonho é popular

Um golpe em 61
Um golpe qualquer
Num lugar comum

(Sonho Popular – Várias Variáveis – Engenheiros do Hawaii)

No decorrer da musica fala sobre um sonho popular, primeiro ironizando, quando fala de que ouviu de Ferreira Gullar falando sobre arquitetura de um Oscar, Esse arquiteto é o próprio Oscar Niemeyer. Ouça esse pronunciamento e depois critica os excessos nas construções de Brasília, pois pelo que eu pude pesquisar, existiu uma construção nessa cidade, Chandigard, que se assemelhava aos moldes magníficos dos construidos em Brasília. Como pode ver nesse link.

No final fica claro a citação ao golpe militar de 61.

Engenheiros do Hawaii

na hora “h”
no dia “d”
na hora de pagar pra ver
ninguém diz o que disse
(não era bem assim)

na hora “h”
no dia “d”
na hora de acender a luz
ninguém dá nome aos bois
(tudo fica pra depois)

na hora “h”
no dia “d”
ninguém paga pra ver
tudo fica prá trás
(querem mais é esquecer)

mas é impossível repetir
o que só acontece uma vez
é impossível reprimir
o que acontece toda vez
que alguém acorda
porque já não aguenta mais
e a corda arrebenta
no lado mais forte

é muito engraçado
que todos tenham os mesmos sonhos
e que o sonho nunca vire realidade

é muito engraçado
que estejam do mesmo lado
os que querem iluminar
e os que querem iludir

é muito engraçado
que todo mundo tenha
armas capazes de tudo
de todo mundo acabar
no dia “d”, na hora “h”

mas é impossível repetir
o que só acontece uma vez
é impossível reprimir
o que acontece toda vez
que alguém acorda
porque já não aguenta mais
e a corda arrebenta
no lado mais forte

é impossível repetir
o que só acontece uma vez
é impossível reprimir
o que acontece toda vez
que chega a hora
de dizer chega…

…a hora…
…de dizer chega…

não pagar pra ver
a verdade a ver navios
onde já se viu?

(A verdade a ver návios).

Engenheiros do Hawaii

“Eu presto atenção no que eles dizem
mas eles não dizem nada

Toda forma de poder é uma forma de morrer por nada.
Toda forma de conduta se trasforma numa luta armada.

Se tudo passa, talvez você passe por aqui
E me faça esquecer tudo que eu vi
Se tudo passa, talvez você passe por aqui
E me faça esquecer tudo o que fiz

O fascismo é fascinante deixa a gente ignorante e fascinada
É tão fácil ir adiante e esquecer que a coisa toda tá errada
A história se repete mas a força deixa a história mal contada,

Se tudo passa, talvez você passe por aqui
E me faça esquecer tudo que eu vi
Se tudo passa, talvez você passe por aqui
E me faça esquecer tudo que eu vi

Chuva de conteiners e entreteiners no ar,
Chuva de conteiners e entreteiners no ar,
eu posso achar normal o que o som ecoa.

Se tudo passa, talvez você passe por aqui
E me faça esquecer tudo que eu vi
Se tudo passa, talvez você passe por aqui
E me faça esquecer tudo que eu vi

E falta pão, o pão nosso de cada dia,
e sobra pão, o pão que o diabo amassou
e falta pão, o pão nosso de cada dia,
e sobra pão, o pão que o diabo amassou.

Talvez você passe por aqui
E me faça esquecer tudo que eu vi
Se tudo passa, talvez você passe por aqui
E me faça esquecer tudo que eu vi.”

(Engenheiros do Hawaii – Toda forma de poder).

Sabe o que é anarquismo? leia de novo e reflita!

Para quem não viu… Segue o video no Youtube.

Nesse vídeo tem outros artistas e suas mensagens.

Por que mudar? Para que serve o governo? Para que serve suas leis?

pergunta

A humanidade tem arrepios só de imaginar em obter responsabilidade sobre seu destino, pois desde a época medieval estamos colocando em culpa nos outros, seja no demônio ou nós políticos.

Parece que todos precisam de tempo para suas futilidades e os assuntos importantes, podem, e devem, ser tratados por outros e as vezes isso nem nos interessa.

Uma sociedade onde todos decidem e evoluem de forma homogênea? Utopia? Sim, claro! Ainda temos medo de assumir nossas responsabilidades! Muitos de nós nem lembram quem foram seus representantes, mesmo que isso mudasse algo, mas ainda assim o atual sistema está falho, todos sabem disso e o que fazemos? Reclamamos com os amigos na mesa de bar sobre nossos políticos e/ou o presidente do EUA, pois no fim da noite iremos dormir e nosso dia começa como se nada tivéssemos conversado e talvez no outro dia voltemos a papear, mas claro que no fim apenas dormiríamos novamente e assim a vida continua.

Não fique chateado! Apenas pense. Mude, se quiser. Quem sou eu para falar o que deve fazer. O governo? Eu nem poderia não é? Tiraria sua liberdade de escolha. Grande piada!

Se frequenta foruns, participa do Wikipédia ou outros wikis. Pode dizer que já existe um pensamento como esse em seu ser, mas não se assuste, pois ao contrário do que muito foi dito, Anarquia não tem nada haver com desordem. Até mesmo porque o conceito de ordem é tão abstrato quanto seu antônimo, pois depende muito do conceito estabelecido pela sociedade em questão.

Para rapida explicação, anarquismo é a idéia de uma sociedade viver em base a cooperação sem que uma parcela do povo esteja acima do outro. Se me for permitido essa simplicação, seria um pouco do pensamento do Socialista, mas sem o estado efetuando o controle. Tudo seria por conta da própria sociedade.

Anarquia

Difícil? Os softwares que utilizo hoje foram desenvolvidos utilizando essa idéia. Tal como o Gnu/Linux, Ubuntu e afins…

Claro, as vezes reflito sobre como seria uma sociedade puramente anarquista e algumas perguntas surgem. Como trataremos os preguiçosos? E a competição entre os homens, como tratar isso? E os egoístas?

Com a falta de um estado maior para controle, será necessário o interesse de todos por essa nação, pois não haveria representatividade. Nesse caso todos teriam, ou deveriam ter, ciência de tudo que se passa e efetuar suas ponderações sobre o que deveria ser feito. Claro que nesse caso estaríamos menos focados do que somos hoje. Com isso outras perguntas: Será mesmo que precisamos de tanto foco para algumas coisas? O anarquismo prega algo muito interessante, li no livro Histórias das Idéias e Movimentos Anarquistas, editora L&PM Pocket, Volume 1, Woodcock, George.

“Mas estaríamos perdendo a essência da atitude anarquista se ignorássemos o fato de que a ânsia de chegar a simplificação social não tem origem no desejo de que a sociedade funcione de forma mais eficiente, nem sequer no desenho de eliminar os órgãos autoritários responsáveis pela destruição da liberdade individual, mas, em grande parte, numa convicção moral sobre as virtudes de uma vida mais simples.”

Estaria a humanidade atual preparada para uma vida mais simples? Ou ainda estaríamos buscando a cura para os problemas que encontramos ao procurar novas curas?

Será que estamos retornando a ditadura ou será que nunca saímos dela?

Abaixo a carta feita pelos estudantes sobre a invasão do dia 15/11/2007, para reintegração de posse solicitada pelo Reitor Naomar de Almeida Filho.

O texto é longo, mas merece atenção, até para se ater aos fatos e não se deixar levar por notícias em pseudo-jornais e afins.

Para maiores detalhes da ocupação veja no blog.

Nós, estudantes que há 46 dias ocupamos a Reitoria da UFBA por uma
Assistência Estudantil digna e contra o decreto do REUNI, viemos mais
uma vez denunciar o autoritarismo, a violência e o desrespeito à
democracia praticados pelo Reitorado da UFBA e pelo Governo Federal
Brasileiro.

No dia de hoje, 15 de Novembro de 2007, data de comemoração da
“Enganação da República”, por volta das 07:00h da manhã, a Polícia
Federal invadiu a Reitoria ocupada por estudantes e já de início
mostrou claramente como agiria.Após percebermos a chegada da polícia,
sentamos de braços dados no chão do salão da reitoria e dissemos que
não nos submeteríamos ao mandado de reintegração de posse, pois não
havia ali o que ser reimpossado. A partir daí, a polícia federal nos
ameaçou de diversas formas e em seguida, percebendo que não
cederíamos, avançou sobre nós puxando violentamente o cabelo e os
braços de alguns estudantes, esmurrando e chutando outros e agredindo
verbalmente ä tod@s. Alguns de nós foram arrastados pela escadaria da
frente da reitoria e 4 de nós (um estudante de história, uma estudante
de medicina, um estudante de ciências sociais e um estudante de
comunicação) foram humilhados, espancados e levados presos no Camburão
para a sede da Polícia Federal no bairro de Água de Meninos.Quando
fomos tod@s expulsos à força da Reitoria, a polícia jogou parte de
nossos pertences porta a fora e fomos impedidos de reaver a outra
parte. Durante a ação policial dentro da reitoria fomos impedidos de
filmar ou fotografar quaisquer coisas; os policiais coagiram verbal e
fisicamente @s estudantes que portavam câmeras.Na frente da Reitoria
quando noss@s colegas estavam sendo pres@s, tentamos dissuadir a
polícia das prisões e fomos mais uma vez agredidos, desta vez com
spray de pimenta disparado contra nossos olhos.Quando a expulsão
terminou, nos reunimos ao lado da Reitoria , buscamos atendimento
médico para @s estudantes ferid@s no Hospital Universitário, que fica
a poucos metros da Reitoria, e mais uma vez fomos tratad@s com
completo desrespeito: os seguranças do Hospital não só impediram nossa
entrada como impediram que contatássemos @s médic@s presentes no
momento para que prestassem atendimento aos estudantes agredid@s. Em
seguida, levamos @s estudantes mais ferid@s para o Hospital Geral do
Estado e contatamos advogad@s para ajudarem a resolver a
situação.Tentamos prestar queixa e realizar o exame de corpo de delito
d@s estudantes agredid@s e novamente nossos direitos foram negados
nas delegacias da polícia civil e federal.Enquanto discutíamos o
acontecido, o “Magnífico” Reitor da UFBA, Naomar de Almeida Filho,
concedia mais uma entrevista mentirosa a uma emissora de rádio de
Salvador. Nesta, afirmou inescrupulosamente que a invasão da polícia
federal se tratava de uma ação pacífica e necessária à restituição da
ordem democrática e dos trabalhos de implementação do REUNI na UFBA.

Diante desses acontecimentos perguntamos: Nós, estudantes,
professores, servidores, residentes, bolsistas, homens e mulheres,
negr@s, branc@s e índi@s, heterossexuais, homossexuais e transexuais,
tod@s nós, não temos o direito de estar na Reitoria de uma
Universidade construída e sustentada com nosso suor? A quem pertence a
UFBA? A quem pertencem as Universidades Públicas brasileiras? Quem por
direito detém a posse e quem invadiu a Reitoria da UFBA?A polícia ou o
povo? O Reitor ou tod@s nós? Quem tem dignidade e coerência para falar
em democracia na Universidade?Um Reitor que se nega a debater ampla e
verdadeiramente o futuro da educação pública e que encenou a farsa da
aprovação do REUNI na UFBA no CONSUNI do dia 19 de Outubro ou @s
estudantes que propõem um debate aberto e a convocação de um
plebiscito e uma assembléia universitária?Quem respeita a diversidade
de opiniões na Universidade? Estudantes que convocam tod@s para
debater e construir uma Universidade pública de fato ou um Reitor que
recorre à policia para com violência tentar calar as vozes
insurgentes? Que resposta @s estudantes, professores, servidores e a
população da Bahia darão a tamanho autoritarismo e violência senão um
basta? Senão o basta da exigência inegociável de respeito à nossa
dignidade e a democracia nas Universidades Publicas e na sociedade
brasileira? Que resposta expressará nossa indignação e revolta e não
nossa aceitação e cumplicidade senão um basta? Se a Reitoria acha que
agressões morais e ameaças serviram para nos amedrontar, o spray de
pimenta para nos cegar e os chutes, murros e agressões para nos calar
e imobilizar, é porque ignora a força d@s estudantes. A covardia do
uso da forca bruta só multiplica nossas energias e nossa determinação
de ir ate o fim.Nossa luta pela Assistência Estudantil e CONTRA o
Reuni continua.

NA PRÓXIMA SEMANA CONTINUAREMOS O PLEBISCITO NA UFBA SOBRE O REUNI E
EM BREVE ANUNCIAREMOS NOVAS FORMAS DE MOBILIZAÇÃO, AGUARDEM!

Nem um passo atrás! (MPM)

MORU – MOVIMENTO D@S OCUPANTES DA REITORIA DA UFBA “

Depois de muitas descobertas, pesquisas que pareciam me levar a mundos extraordinários, comentários muito legais a respeito de tudo que postei, discussões, críticas super construtivas sobre o  que foi postado, venho aqui no Tabaréu; Blog que me salvou da minhas semanas mais inúteis, agradecer muito por tudo que aprendi  e que com toda certeza foi uma ponte para auxiliar no conhecimento que adquiri e que me levará a outras tantas parcerias culturais como essa daqui.

O que mais eu posso dizer? Ah! Que foi muito bom estar com vocês aqui! Queria agradecer a Rafael, que me deixou dar várias opiniões sobre tudo que se referia ao blog  e por ter me convidado pra me juntar nessa página. Muito obrigada mesmo.Hoje, me despeço  com a certeza de que tudo que fiz aqui foi passar um pouco de mim e da minha experiência cultural e intelectual pra vocês e vi que fui recompensadíssima!

Estou me mudando para um blog novo, por enquanto só meu. Mas também está aberto a amigos que queiram compartilhar idéias.  Garanto que muitas coisas mais que interessantes  estarão lá  a espera de todos!”Serão Vivos e bem vindos” !!

Meu novo blog  é http//: ajanelinha.blogspot.com

Vou-me embora deixando um trecho de uma música que tem dito muita coisa pra mim e tem tudo a ver com esse clima de despedida. (Sim, eu sempre fui dramática desse jeito!)

“Acalma essa tormenta e se agüenta
Que eu vou pro meu lugar.
É bom às vezes se perder,
Sem ter por que, sem ter razão
É um dom saber envaidecer
Por si
Saber mudar de tom…”
 

(Adeus você, Los Hermanos) 

A muito tempo não vejo um show como esse, para ser mais preciso, NUNCA fui a um show como esse.

O evento começa com a Formidável Fámila Musical tornando o ar mais puro, com a simplicidade e alegria pura e inocente que somente eles conseguem. Algo fora do normal, como se tudo não fosse real e estivéssimos dentro de um sonho bom a espera do seu querubim ou escolhendo sua flor multicor para alegrar sua estação, sendo ela qual for.

FFM

Quando pesávamos que tudo estava perfeito, eis que começa TEATRO MÁGICO, a trupe inicial nos saudando com o famoso “Sejam bem vindo ao Teatro Mágico”. Como se nós preparasse para o que há de vir.

Seja bem vindo, TM

Em uma ação esplendida que mistura musica, arte e atitude. O teatro nos presenteia com musicas fascinantes, que não só nós faz ouvir como também nós toca no nosso intimo e assim fazendo acender pensamentos adormecidos, atitudes de mudança, pensamentos artísticos e afins.

Arte e o Teatro Mágico

Resumindo, para quem foi a show, sabe o que estou falando. Sentimento inenarrável. Para os quais não foram, infelizmente o que foi dito aqui nem se compara ao vivido por toda aquela gente sob a “Lona sagrada do picolino”, assim como foi dito pelo próprio Fernando (Cantor do Teatro Mágico).

Teatro Mágico

Formidável Fam�lia Musical.

Aqui estamos voltando aos anos dourados. Onde tudo era lindo e o “Paz e amor” imperava. As letras eram voltadas para sentimentos simples. Claro que sem generalizar demais né?

Então temos hoje em Salvador – Bahia uma grande banda que com certeza “bebeu na fonte” do Beatles e The Doors.

Musicas animadas, de fácil “digestão” e bem feitas. A Alegria é demonstrada no primeiro acorde.

Fui a um show da banda e realmente é como nas musicas (Que podem ser baixadas do site deles). Uma grande animação, tanto por parte da banda quanto dos fãs, que ficam brincando enquanto a banda toca. Tudo em uma sintonia legal, onde a vida fosse simples e a noite apenas uma visita ao “Parque da Xuxa” ou afins, onde tudo é cor de rosa e nunca chove. Por fim, muito bom. Parabéns para a Banda.

Formidável Fam�lia Musical

Mais uma boa banda por aqui… Ainda bem que não é mais uma de pagode hein?

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.