Viagem

Li esse livro quanto tinha doze anos. Naquela época eu já tinha sim uma visão formada sobre leitura, mas só hoje entendo como foi importante ter lido. Mais uma autobiografia!

Valeria

Valéria Piassa Polizzi, jovem de classe média alta de 16 anos que, depois de uma viagem com seu avô(daí o nome do livro) conheçe um “carinha” que mais tarde se torna seu namorado e não mais tão tarde assim, tira a sua virgindade e põe no lugar o vírus da AIDS. Aí vem todo o problema, medos, angústias, decepções e o mais incrível: Uma vontade imensa de viver. E, sem contar que estamos falando da década de 80, onde a doença ainda era novidade e não existia um tratamento adequado, mesmo sendo de família rica, como era o caso dela.

Valéria viaja, vai pro exterior, conhece outras pessoas e a história se desenvolve numa linguagem extraordinariamente rica de informações e pensamentos jovens, que prendem o leitor até a última letra.

O livro foi publicado em 1997, numa data próxima ao Dia Mundial de Luta contra a AIDS.Coincidência bem feliz, por sinal. Depois do livro, Valéria já foi colounista em uma revista para adolescentes e escreveu outros dois livros: “Papo de garota” e “Enquanto estamos crescendo”.

A história dela, parecida com tantas outras que conhecemos por aí, se torna única por ser contada de uma forma tão bem-humorada e por que não dizer: “Cor-de rosa”?

Mais do que um incentivo a vida, um manual de sobrevivência!Pra quem nunca leu; não perca tempo, pra quem já leu; leia novamente!

Anúncios